«

»

set 04 2014

Imprimir Post

Atari 2600 – Parte 3

Lembra lá na primeira parte quando eu disse que meu modelo de Atari era o 2600 “pré-S”, mas com fonte embutida. Pois bem, agora consegui adquirir um Atari 2600 da Polyvox que é exatamente o modelo da minha infância. Esse modelo eu acredito que seja um pouco mais raro que os demais, pois é um modelo de transição. É mais comum encontrar o Atari 2600 com a fonte externa, clone do modelo que os americanos chamam de “Vader”, em alusão ao visual totalmente preto (Darth Vader, Star Wars, lembrou?) em contraste ao modelo com frente de madeira, que é o modelo mais comum por lá, mas que nunca foi lançado no Brasil. O outro modelo comum no Brasil  é o Atari 2600S, o mais recente, em que a Polyvox limou a chave “TV Type”, deixou os controles embutidos (péssima estratégia) e trocou os switches clássicos por outros esquisitos, provavelmente para cortar custos. Essa versão mais recente não é muito querida, e parece não ter equivalente fora do Brasil. Assim, o modelo que eu ganhei no Natal de 1987 não é necessariamente raro, mas é bem menos comum que os outros. E provavelmente é o último modelo decente (leia-se todos os switches e controles destacáveis) da Polyvox.

E este Atari 2600 que adquiri está na caixa original. Ela não está bem conservada, infelizmente. Compare com a caixa do meu Mega Drive III e  com a caixa do meu Super Nintendo para ver que o meu padrão de conservação é um tanto mais elevado. Mas já é difícil achar um Atari 2600 com caixa hoje em dia, com caixa em bom estado então é mais difícil anda. Deste modelo especificamente não achei nenhum com uma caixa inteira mesmo. Até pensei em adquirir um caixa nova na Lojinha do Moises, mas ele só tem a caixa dos dois modelos mais comuns que eu citei. Para fazer um novo projeto ele precisa de pelo menos 5 compradores. Alguém aí se habilita?

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Caixa do Atari 2600 da Polyvox

Algo curioso que notei na caixa é que a lista do conteúdo da embalagem menciona um “Adaptador para corrente alternada 117V”. Por que citar um adaptador se a fonte é embutida? Além disso, a fonte embutida tem uma chave na parte de baixo do console para selecionar 110V ou 220V, e a caixa não menciona essa possibilidade de funcionar em 220V. Cheguei a pensar que essa caixa na verdade poderia pertencer a outro console, dos que ainda usavam fonte externa. Nesse caso seria um modelo que eu desconheço, pois esse modelo de caixa menor é usado apenas nos consoles com fonte embutida. Ou teria sido um erro da Polyvox? Aplicando a navalha de Occam eu estava mais inclinado a acreditar em um erro da Polyvox. A confirmação veio comparando o número de série da caixa com o número de série do console. Os números são idênticos, então definitivamente essa caixa é deste console. Portanto o veredito é erro da Polyvox. Nunca tinha notado esse detalhe na minha infância. Seria esse um erro que foi corrigido algum tempo depois? Na caixa do Atari 2600S está corrigido, mas não sei se a correção saiu só com o 2600S ou se pode ter saído antes. No caso da primeira hipótese, isso colocaria esse Atari 2600 que adquiri dentre os primeiros a saírem com a fonte embutida?

Descrição do conteúdo na embalagem

Descrição do conteúdo na embalagem

O console em si está muito bem conservado. Não encontrei um único arranhão, apenas um pouco de pó. Na parte 2 mostrei um Atari 2600 após a limpeza, mas aqui estou mostrando do jeito que recebi. Os switches estão todos durinhos, como novos. Um sinal claro de que um Atari 2600 foi muito usado é que os switches vão ficando mais fracos. O “Power”, muito usado, acaba ficando nitidamente mais frouxo que o “TV Type”, que praticamente não é usado. No meu console de infância isso aconteceu, apesar de não ter afetado o funcionamento. Nesse console ambos os swithes tem a mesma resistência, o que indica que ele foi pouco usado.

Atari 2600 da Polyvox

Atari 2600 da Polyvox

Atari 2600 da Polyvox

Atari 2600 da Polyvox

Detalhe das chaves Power e TV Type do Atari 2600 da Polyvox

Detalhe das chaves Power e TV Type do Atari 2600 da Polyvox

Detalhe das chaves Game Select e Game Reset do Atari 2600 da Polyvox

Detalhe das chaves Game Select e Game Reset do Atari 2600 da Polyvox

Parte traseira do Atari 2600 da Polyvox

Parte traseira do Atari 2600 da Polyvox

Na parte traseira é possível notar que o local onde ficaria a entrada da fonte está coberto com uma tampinha de borracha. Como eu havia mencionado na parte 1, isso mostra que a Polyvox aproveitou as carcaças que já estavam prontas, apenas tampando essa abertura e fazendo uma abertura nova embaixo para a chave que seleciona entre 110V e 220V.

Tampinha de borracha onde seria a entrada da fonte de alimentação

Tampinha de borracha onde seria a entrada da fonte de alimentação

E na parte de baixo do console encontrei a etiqueta da Polyvox com o número de série. Muitos consoles já não tem mais essa etiqueta, ou a tem toda rasgada, mas nesse console ela está quase perfeita. É uma pena que a Polyvox colocava apenas o número de série e não o ano de fabricação.

Etiqueta da Polyvox com o número de série do Atari 2600

Etiqueta da Polyvox com o número de série do Atari 2600

Ainda na parte de baixo encontrei a chave seletora de 110V e 220V que havia mencionado, e encontrei também os dois lacres da Polyvox, o que indica que este console nunca foi aberto. Mais um ponto positivo. Antes eu pretendia até abri-lo para fotografar a parte interna, verificar a versão do PCB e tentar achar mais pistas do ano de fabricação. Mas depois de encontrar os lacres da Polyvox desisti da ideia. É melhor que este console permaneça lacrado. Consoles lacrados tendem a valer mais.

Chave seletora 110V/220V na parte de baixo do console

Chave seletora 110V/220V na parte de baixo do console

Lacre de fábrica da Polyvox nos parafusos do console

Lacre de fábrica da Polyvox nos parafusos do console

Lacre de fábrica da Polyvox nos parafusos do console

Lacre de fábrica da Polyvox nos parafusos do console

Os plugs estão impecáveis, tanto o de RF quanto o de energia. Ambos originais como mostra a inscrição “Polyvox” nos mesmos. O plug de energia é inclusive compatível com o novo padrão brasileiro. Será que a Polyvox previu o futuro quase 30 anos atrás? 🙂

Plug de energia e plug de RF do Atari 2600

Plug de energia e plug de RF do Atari 2600

Plug de energia do Atari 2600

Plug de energia do Atari 2600

Plug de RF do Atari 2600

Plug de RF do Atari 2600

A chave comutadora de antena está presente e funcionando. Há sinais de ferrugem como em todas as outras dessa mesma época que já vi. Na parte traseira há um selo com datas de fabricação e validade. Validade? O que me surpreendeu, além de encontrar uma data de validade que expirou em 1994 em um produto que não tem nada que de fato estrague (exceto pela caixa de metal oxidada), foi que a data de fabricação é 1991. Isso é um tanto esquisito, pois até onde eu me recordo, em 1991 o único Atari 2600 disponível no mercado era o Atari 2600S. Inclusive apareceram até alguns Ataris em que a saída era com fita de antena 300 ohms (bizonho!) e o comutador era diferente. Acho improvável que a Polyvox tenham mantido o 2600 e o 2600S em produção ao mesmo tempo.

Então teria a Polyvox ainda fabricado esse modelo tradicional por mais um tempo, junto com o 2600S? Ou teria essa caixa comutadora de antena sido substituída? Acho que a segunda hipótese é mais provável.

Chave Comutadora de Antena do Atari 2600

Chave Comutadora de Antena do Atari 2600

Chave Comutadora de Antena do Atari 2600

Chave Comutadora de Antena do Atari 2600

Chave Comutadora de Antena do Atari 2600

Chave Comutadora de Antena do Atari 2600

E chego ao cartucho que acompanha esse console, e que acompanhou o meu console de infância: Enduro. Também funcionando perfeitamente. Só notei algo diferente aqui: a etiqueta nesse cartucho não corresponde à do cartucho que veio com o Atari 2600 da minha infância. Aquela tinha “Enduro” escrito na parte de cima do cartucho também. A inscrição no meio era com letras menores. A tela do jogo estava em uma posição um pouco mais abaixo. Por fim havia a incrição “Atari Cartucho Original” que não há nesse cartucho que veio com o console que adquiri.

Então mais uma vez: teria sido uma troca? Essa versão com etiqueta diferente veio antes ou depois daquela com a etiqueta que eu tive na minha infância? Eu diria que veio depois, pois na minha infância só me recordo de cartuchos da Polyvox com a inscrição “Atari Cartucho Original”, que era uma forma da Polyvox afirmar que era a única representante legal da Atari no Brasil. Inclusive eles recomendavam no manual que só fossem utilizados cartuchos da Polyvox. Seria então o console realmente de 1991? Ou teria também o cartucho sido trocado? Tem também esse logotipo da Activision na parte plástica do cartucho que eu não me recordo se existe ou não nas outras versões.

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Cartucho Enduro que acompanha o Atari 2600

Os joysticks também estão em perfeito funcionamento. Infelizmente um dos joysticks está todo mordido. Não entendo o que há de errado com essas crianças que resolvem comer o joystick em vez de jogar com ele. Ambos os joysticks estão com lacre da Polyvox também. Por conta do plástico mordido e do lacre a ideia de restaurá-los no futuro como fiz com um dos joysticks que mostrei na parte 2 foi abortada. De qualquer forma, além do joystick que restaurei tenho também os dois joysticks novos que adquiri em meados do ano passado.

Joysticks que acompanham o Atari 2600

Joysticks que acompanham o Atari 2600

Joysticks que acompanham o Atari 2600

Joysticks que acompanham o Atari 2600

Joysticks que acompanham o Atari 2600

Joysticks que acompanham o Atari 2600

Joysticks que acompanham o Atari 2600

Joysticks que acompanham o Atari 2600

E após analisar cada item, chegou a hora de ligar o Atari 2600 na TV e ver como ele se comporta. Funcionou de primeira. Quase 30 anos depois estou jogando Enduro novamente em toda a sua glória, no hardware original, sem emuladores.

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atari 2600 em funcionamento, com o jogo Enduro da Activision

Atualização (10/09/2014): Passou despercebido por mim em um primeiro momento, mas depois notei que a chave comutadora de antena desse Atari 2600 chama a entrada do console de “VIDEO GAME”, enquanto a entrada da chave comutadora do meu Atari de infância dizia “COMPUTER”.

E sobre o desgaste da chave “POWER” que se vê na maioria dos Atari 2600 e que não encontrei nesse: este é um problema que também ocorre nos Atari norte-americanos, mas no Brasil o problema é potencializado pelos cartuchos não-licenciados com múltiplos jogos. Me lembro que era comum encontrar cartuchos de Atari com 4 jogos, e às vezes 16 e até 32 jogos, em que não haviam switches e era preciso ir desligando e ligando o Atari 2600 até chegar no jogo desejado. Se fosse o 32º, conte aí 62 mudanças de posição da chave apenas para chegar no jogo desejado. Mesmo os jogos com switches às vezes precivam de um par de tentativas-e-erros para achar o jogo desejado. E pior, cheguei a ver alguns cartuchos de 4 jogos em que um dos jogos era selecionado aleatoriamente em cada vez que o Atari 2600 era ligado. Aliás, acho que nem era tão aleatório, pois alguns jogos eram selecionados bem mais vezes que outros. Para jogar o jogo mais raro de ser selecionado era necessário ligar e desligar o console muitas e muitas vezes.

Sobre o autor

Skooter

Skooter é cientista da computação e fundador do Skooter Blog. Tem interesse em tudo relacionado a tecnologia e gosta de economizar fazendo suas compras diretamente do exterior.

Link permanente para este artigo: http://www.skooterblog.com/2014/09/04/atari-2600-parte-3/

4 comentários

3 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. 1
    Fósseis do Ofício

    O mai curioso em relação a Polyvox é pirataria de uma empresa que supostamente defendia com unhas e dentes o fato de seus cartuchos serem “originais”. Vejamos: a Polyvox licenciava produtos da Atari no Brasil. Correto? Pois bem. Onde é que Enduro, Pitfall!, Freeway, games da Activision (que pra piorar eram bundles clássicos da Polyvox) eram também licenciados? O contrato previa games somente da Atari e não de third parties como a Actvision. Isso sem contar com Apple and Dolls e Mr. Chin (respectivamente: I Want My Mommy e Dishaster da Zimag que a Polyvox erroneamente gravava nos cartuchos como Activision!). Curioso, no mínimo.

  2. 2
    Alex Cruz

    O meu 2600 foi fabricado em 16FEV84 conforme etiqueta na placa, porém não possui o nº de série.

  3. 3
    Alex Cruz

    Meu 2600 foi fabricado em 16fev84 conforme etiqueta na placa interna, não sei o número de série, na sua placa deve ter o seu….

    1. 3.1
      Skooter

      O problema é que para ver a placa eu teria que remover o lacre da Polyvox.

  1. 4
    Atari 2600 - Parte 4 - A limpeza - Skooter Blog

    […] Atari 2600 – Parte 3 […]

  2. 5
    Enduro - Atari 2600 - Skooter Blog

    […] Atari 2600 – Parte 3 […]

  3. 6
    Instalando os Videogames Antigos - Skooter Blog

    […] Atari 2600 – Parte 3 […]

Deixar uma resposta