[Review] Analogue Mega Sg – Mega Drive em FPGA c/ saída HDMI Full HD

O Analogue Mega Sg é o mais novo console com implementação em FPGA da Analogue, a mesma empresa que lançou o Analogue Super Nt, o Super Nintendo em FPGA do qual já falei aqui no Skooter Blog.

O Mega Sg é um Mega Drive em FPGA, com saída HDMI em 1080p (Full HD). Mas não é só isso, ele também executa jogos do Master System, do Game Gear, do SG-1000 e do ColecoVision.

Este é, no melhor do meu conhecimento, o primeiro review no Brasil e também o primeiro em língua portuguesa do Analogue Mega Sg.

Motivação

No artigo sobre o Analogue Super Nt eu já falei bastante sobre a motivação para ter um console desse tipo. E as motivações do Analogue Mega Sg são basicamente as mesmas.

Quem acompanha o Skooter Blog sabe do meu apreço por videogames, tanto modernos quanto clássicos. O Mega Drive é mais um de meus preferidos. Meu terceiro videogame foi um Sega Genesis, modelo norte-americano do Mega Drive, que ganhei lá no início dos anos 90. Ele acabou sendo vendido e depois, em 1993, eu ganhei um Mega Drive III da Tec Toy, que tenho até hoje, perfeitamente conservado, com caixa e todos os acessórios. Em 2014 acabei comprando novamente um Sega Genesis, de modelo idêntico ao meu de infância.

Meus consoles clássicos ficaram na caixa por um bom tempo, mas desde que descobri o mundo do RGB e dos cartuchos Everdrive em 2013, eles voltaram à ativa, incluindo aí o Mega Drive III.

E por que um Analogue Mega Sg se já tenho dois consoles Mega Drive originais? Os cabos RGB e o OSSC fazem com que o Mega Drive tenha uma imagem quase perfeita em uma TV LCD moderna. O “quase” fica por conta de particularidades do mundo dos consoles analógicos. Os diferentes modelos de Mega Drive tem áudio bastante diferentes, alguns melhores, alguns piores, como já mostrei aqui no Skooter Blog. Os retrogamers mais audiófilos vivem na busca do som perfeito para seus Mega Drive, o que inclui a instalação de alguns mods (modificações internas no hardware do console), que é algo que não aprecio muito.

Outro “defeito” presente na maiora dos Mega Drive é um efeito conhecido como jailbar, que mostra algumas linhas verticais na tela, principalmente no centro, que podem ficar mais ou menos evidentes dependendo do jogo, das cores utilizadas, do método de escala, e do próprio modelo do console. Este problema é causado pela forma como o sinal RGB é produzido internamente no Mega Drive, suscetível a interferências de outros sinais presentes na placa. A única forma de elimina-lo completamente é também com o uso de mods.

Por fim, há ainda os ruídos inerentes das conversões de digital para analógico que acontecem dentro do console original e de analógico para digital que ocorre no OSSC ou similar.

Emuladores não tem esse tipo de problema, mas por outro lado tem outros, como a falta de fidelidade ao hardware original em algumas situações, e a latência causada pelo próprio sistema operacional do computador onde ele está executando.

O Analogue Mega Sg

É nesse nicho de mercado que entra o Analogue Mega Sg, uma re-implementação do hardware original do Mega Drive e dos demais consoles suportados em uma FPGA.

FPGA é a sigla para Field Programmable Gate Array – algo como “Arranjo de Portas Programáveis em Campo”. É um tipo de chip reprogramável projetado para ser configurado por um projetista, ou mesmo um consumidor, após a fabricação. Esta programação é feita no nível de portas lógicas, que correspondem a unidade elementar de qualquer circuito digital.

Uma implementação em FPGA por si só não garante qualidade, mas ela tem alguns benefícios intrínsecos. PCs normais se aproveitam dos clocks muito superiores aos consoles originais para escalonar entre os vários chips que estão sendo emulados, dando atenção a um de cada vez. Em muitos casos fazem uma emulação de mais alto nível, sem emular cada chip individualmente, muitas vezes se valendo de alguns hacks. Mas eles sofrem com a sincronização entre os componentes e a própria latência inerente ao sistema operacional (Windows, Linux, etc.) que não foi projetado para tarefas de tempo real. FPGAs são paralelas por natureza, e isso garante ao Analogue Mega Sg uma latência zero.

Mas não é só isso, no quesito qualidade a Analogue conta com Kevin Horton, mais conhecido como kevtris, o criador do mod HiDef NES, que permite acrescentar uma saída HDMI no Nintendinho de 8 bits. Ele é o gênio por trás da implementação do Analogue Mega Nt, e também do Analogue Super Nt e do Nt mini. Este último é um Nintendo 8 bits em FPGA, que também suporta uma porção de outros consoles de 8 bits.

A implementação do kevtris é excelente, uma réplica quase perfeita do hardware original em FPGA, e com latência zero! Exceto por alguns poucos bugs e imperfeições que vem sendo corrigidos,  ele se comporta de maneira idêntica ao hardware original do Mega Drive.

Como eu já conheço o trabalho da Analogue e do kevtris pelo Analogue Super Nt, fiz minha aposta no Analogue Mega Sg antes mesmo do lançamento, realizando a compra na pré-venda no início de janeiro.

Escolha do modelo de Analogue Mega Sg

Analogue Mega Sg está disponível em quatro modelos, inspirados nas versões japonesa, americana (Sega Genesis) e europeia do console, e uma toda em branco.

Optei pelo modelo USA, pois meu Sega Genesis é o modelo americano, e a Tec Toy também seguiu o modelo americano no Brasil. Era o que fazia mais sentido para mim.

A Compra do Analogue Mega Sg

Analogue Mega Sg só pode ser adquirido diretamente da Analogue. Infelizmente a Analogue não envia para o Brasil. Eles até fazem envios internacionais, mas só para países civilizados. E como trabalham com serviços de courier, o preço para brasileiros ficaria inviável de qualquer forma, pois nossos governos federal e estadual abocanham aproximadamente 100% em impostos nesse tipo de importação.

Por conta disso, precisei usar um serviço de redirecionamento. Para realizar este serviço optei novamente pela  Envios Diretos, a mesma que usei com o Analogue Super Nt, e que oferece serviço similar ao da Shipito, da qual já falei bastante aqui no Skooter Blog.

Fiz então a compra do Analogue Mega Sg na pré-venda no início de janeiro, mais precisamente no dia 05/01, com postagem prevista para abril. O lançamento acabou adiantando e ele foi enviado ainda em março. O custo foi de US$ 189,99 para o console e mais US$ 17,76 do frete para a California. O envio foi feito no dia 22/03, do Texas, por Fedex, e foi entregue no depósito da Envios Diretos na California no dia 28/03.

O pacote pesou 3,3 libras (1,5 Kg) segundo a Fedex. A Envios Diretos avaliou em 3 libras e 4 onças. Foram enviadas 3 fotos: da etiqueta da caixa, da caixa na balança, e da caixa do Analogue Mega Sg lacrada.

Optei pelo envio para o Brasil via USPS First Class, ao custo total de US$ 68,25, incluindo o custo da Envios Diretos. O pacote chegou em minhas mãos em 12 dias. Não foi tributado e não teve incidência da taxa de despacho postal.

Unboxing

Confira as fotos e o vídeo do unboxing e testes do Analogue Super Nt:

O Analogue Mega Sg vem em uma caixa bacana de papelão resistente preto, tal qual a do Analogue Super Nt. Ele vem acompanhado de vários itens:

  • Fonte de Alimentação
  • Cabo USB
  • Cabo HDMI
  • Adaptador para cartuchos de Master System
  • Espaçador para uso com o Sega CD
  • Folheto de Instruções

Note que não há controles no pacote. O Analogue Mega Sg pode ser usado com controles originais ou de terceiros para o Mega Drive. Duas opções de controles sem fio já foram mostradas aqui no Skooter Blog recentemente: o 8BitDo M30 e o Joyzz do Krikzz.

A fonte de alimentação tem plug no padrão norte-americano (Tipo A) e pode ser usada nas tomadas brasileiras com uso de adaptador. Os cabos USB e HDMI não são muito longos, mas estão sendo suficientes no meu caso.

O adaptador para cartuchos de Master System está incluso, pois o Analogue Mega Sg já foi anunciado prometendo aceitar cartuchos do Mega Drive de todas as regiões e cartuchos do Master System com o uso do adaptador incluso. Adaptadores para cartuchos de Game Gear, SG-1000, SC-3000 e Mark III também foram anunciados para serem vendidos separadamente, mas ainda não foram lançados.

O Mega Sg tem na parte superior uma entrada de cartuchos que aceita cartuchos de todas as regiões, um botão de ligar/desligar e outro de reset. O botão de ligar/desligar tem um LED RGB, que pode ser configurado para exibir uma única cor (configurável) ou produzir uma série de efeitos.

Na parte frontal temos as duas entradas de joysticks, que usam o conector DB-9 do Mega Drive original, além de uma saída analógica P2 para fones de ouvido, tal qual no Mega Drive original. Porém, o controle de volume é feito apenas pelo menu do Mega Sg.

Na lateral esquerda temos a entrada de cartão SD, que serve para atualização de firmware e para carregar ROMs e BIOS com o uso do jailbreak, como explicarei mais adiante.

Na lateral direita temos a tampa para acesso ao conector de Sega CD, como explicarei mais adiante também.

Por fim, na parte traseira temos a entrada USB e a saída HDMI.

Sega CD e acessórios

O Analogue Mega Sg é compatível com o Sega CD, tanto o modelo 1 quanto o modelo 2. Há uma tampa na lateral que pode ser removida para encaixa-lo no Sega CD, tal qual existe no Mega Drive. O espaçador incluso é um “tapetinho” usado para que o Analogue Mega Sg não fique suspenso pelo Sega CD, pois ele é um pouco mais baixo que o Mega Drive original. Eu não tenho um Sega CD, portanto não testei essa funcionalidade.

A maioria dos acessórios do Mega Drive são compatíveis com o Mega Sg, mas uma exceção notória é o 32X, por conta da forma como ele é conectado ao Mega Drive original. A saída de áudio e vídeo do Mega Drive original (analógica) é conectada ao 32X, que por sua vez é conectada à TV. Essa conexão analógica torna o suporte complicado no Analogue Sg, cuja saída é unicamente digital (HDMI). Por enquanto não há forma de contornar isso.

Jailbreak

Desde o anúncio do Analogue Mega Sg já era esperado que um firmware jailbreak apareceria após o lançamento, pois isso também aconteceu com o Nt Mini e com o Super Nt.

No caso do Nt Mini, o jailbreak permite jogar todas as ROMs do Nintendo à partir do cartão SD. Além disso, ele traz uma série de outros cores (núcleos implementados em FPGA) de consoles de 8 bits, permitindo executar jogos desses vários outros consoles, carregando ROMs a partir do cartão SD no Nt Mini.

No Super Nt o jailbreak foi um tanto decepcionante. Muitos esperavam cores de outros consoles, mas na verdade o jailbreak permitiu apenas executar as ROMs do próprio Super Nintendo, e ainda deixou de fora todos os jogos que utilizam chips especiais no cartucho. Com isso, o SD2SNES continuou sendo o parceiro ideal para o Super Nt.

Mas com o Analogue Mega Sg a história foi diferente. Apenas uma semana após a data de lançamento oficial, curiosamente no dia 01/04, apareceu o firmware jailbreak do Analogue Mega Sg. E ele veio com muito mais do que esperávamos.

Com o jailbreak do Mega Sg é possível executar ROMs de Mega Drive, Master System, Game Gear, SG-1000, e ColecoVision. O ColecoVision foi uma grande surpresa, uma vez que um adaptador para cartuchos dele nunca foi anunciado, provavelmente porque seu core requer um dump da BIOS do console para funcionar, e não há uma maneira legal da Analogue inclui-la com o firmware.

É claro que tudo indica que o jailbreak vem da própria Analogue e do kevtris, mas oficialmente ele não é suportado. Nas comunidades dizem que ele é produzido pela “fada do FPGA” 🙂 . Isto dá à Analogue a “negação plausível” que ela precisa em caso de processos judiciais.

Note que, sem o jailbreak, os consoles da Analogue são totalmente legais, pois foram feitos para executar cartuchos originais. A patente do hardware desses consoles antigos já expirou, o que permite a re-implementação. Apenas os jogos ainda estão protegidos pelas leis de propriedade intelectual, e o único jogo incluso está devidamente licenciado.

O Analogue Mega Sg foi enviado com uma BIOS bastante antiga e deve ser necessariamente atualizado antes de ser usado. Eu já fiz a minha atualização diretamente para a primeira versão jailbreak. E de lá para cá uma nova atualização apareceu já corrigindo mais alguns bugs. No momento em que escrevo esse artigo a versão mais recente é a 7.4, tanto oficial quanto jailbreak.

Testes

Fiz transmissões ao vivo dos meus primeiros testes com Analogue Mega Sg no canal do Skooter Blog no Youtube. Nessas transmissões testei várias configurações. No primeiro teste me restringi ao Mega Everdrive X7, pois ainda não tinha preparado um cartão SD com ROMs para usar com o jailbreak.

Para meu segundo teste preparei um cartão SD com ROMs e BIOS de todos os sistemas suportados.

Fiz também uma playlist com todos os meus vídeos e transmissões ao vivo com o Analogue Mega Sg. No momento esta lista está com 13 vídeos, mas esse número tende a crescer com o tempo, pois estou frequentemente fazendo transmissões ao vivo enquanto jogo. Confira:

A seguir, falarei de alguns das principais características e dispositivos que testei no Analogue Mega Sg.

Ultracore, o jogo inédito

Assim como o Super Nt, que veio com o jogo inédito Super Turrican – Director’s Cut, o Mega Sg também conta com um jogo inédito: Ultracore. Ele foi originalmente desenvolvido nos anos 90, e o nome original era Hardcore. O nome precisou ser mudado por questões de licenciamento.

O jogo, desenvolvido pela Digital Illusions CE AB (EA Dice) estava quase pronto, mas não foi terminado e não chegou a ser lançado. O jogo ficou esquecido por muitos anos, e o público nunca teve acesso. Ele foi finalmente terminado em 2018 pela editora alemã Strictly Limited, usando o kit de desenvolvimento original da Sega. Será lançado também para o Playstation 4 e para o Playstation Vita. Por enquanto ele é exclusividade do Mega Sg, e até agora ninguém encontrou um meio de extrair a ROM dele.

Ultracore é um shooter 2D no estilo de Contra e Turrican. É um bom jogo e certamente uma ótima adição para o Analogue Mega Sg. Foi o primeiro jogo que executei no Mega Sg, como pode ser visto no vídeo do primeiro teste.

Vídeo

Assim como no Super Nt, há configurações para deixar o vídeo do Mega Sg personalizado para todos os gostos. Eu gosto do padrão, com a quantidade de linhas multiplicadas por 4,5, tranformando 240p em 1080p, e mantendo o aspecto 4:3. Mas quem prefere multiplicadores inteiros ou preencher a tela toda está bem servido, pois dá para configurar tudo, tanto resolução horizontal quanto vertical. Inclusive é possível fazer configurações separadas para cada core e para cada resolução do Mega Drive: 320×224 e 256×224.

No Mega Drive original há bordas sólidas nos quatro cantos, que ficam com a cor de fundo da paleta que está sendo usada. Por padrão, no Mega Sg essas bordas são mascaradas e ficam sempre pretas. Mas quem preferir pode desabilitar a máscara e ver as bordas coloridas. No Mega Drive original também aparecem alguns pixels piscantes na borda inferior em alguns jogos. Esse “defeito” não existe no Mega Sg, e nem pode ser simulado.

Quem gosta de scanlines também está bem servido, é possível habilita-las e configurar seu tipo e intensidade. Lembre-se de usar um multiplicador de linhas inteiro nesse caso, como 4x ou 5x. Os scalers HQ2x, HQ3x, HQ4x, Scale2x e Scale3x também estão presentes para quem gosta.

O modo 480i (entrelaçado) usado no modo de tela dividida do Sonic The Hedgehog 2 também é suportado. Porém a imagem não é desentrelaçada e aparece com artefatos (combing). Parece a Rede Globo quando resolve usar imagens da TV Senado ou outra dessas emissoras públicas. Sério, qual a dificuldade da Globo em desentrelaçar as imagens antes de redimensiona-las para 1080i? Fica horrível do jeito que fazem.

Seria bacana se o Mega Sg desentrelaçasse a imagem, mas acho que o kevtris preferiu investir seu tempo em recursos mais interessantes em vez dessa resolução que só é usada em 2 ou 3 jogos. Além disso, considerando que o Framemeister nem suporta o modo 480i do Mega Drive, e que o OSSC suporta com alguma dificuldade, o Mega Sg já está fazendo um ótimo trabalho.

Outra opção bacana é o filtro de dithering. Este é um recurso que os desenvolvedores usavam para se aproveitar da baixa qualidade do vídeo composto, que mistura um pouco os pixels vizinhos. Consiste em usar pixels de cores diferentes formando um padrão do tipo tabuleiro de xadrez, em vez de uma cor sólida. Com isso, o vídeo composto borra a imagem e pode formar algo similar a uma textura, uma transparência ou uma cor diferente. Com a alta definição do RGB e do HDMI, hoje vemos perfeitamente cada pixel, e esse efeito se perde. O Mega Sg permite simular esse defeito do vídeo composto, apenas onde o dithering é usado, recriando as cores, texturas ou transparências.

Esse filtro fica particularmente interessante nas cachoeiras da Green Hill em Sonic The Hedgehog, por exemplo, onde o efeito é usado parar deixar a água transparente. Porém o algoritmo às vezes acaba borrando o que não deveria, como os textos de placares e outros. Por conta disso esse recurso vem desabilitado por padrão, e pode ser ativado e configurado ao gosto do usuário. É bom usar só em jogos específicos.

O modo de buffer do Super Nt também está presente no Mega Sg, pois a taxa de atualização nativa do Mega Drive é 59,92275fps. No modo zero delay, o Mega Sg acelera a taxa de atualização em 0,13% para produzir 60 fps, compatível com o padrão HDMI, e assim trabalha sem latência, mas acelerando 1 segundo a cada 10 minutos em relação a um Mega Drive original.

A diferença é imperceptível na prática, mas quem preferir pode optar pelos modelos fully buffered ou single buffer, que mantém a temporização original ao custo de um pouco de latência ou vertical tearing, respectivamente.

Áudio

O áudio e as opções de áudio do Mega Sg são um show à parte. O Mega Drive foi um dos últimos, talvez o último, console de videogame a contar com um chip sintetizador de áudio, que no caso é um Yamaha YM2612 discreto no primeiro modelo, e um Yamaha YM3438 integrado em um ASIC no segundo modelo (e no modelo 1 com placa VA7).

Do Super Nintendo em diante os consoles passaram a focar nas amostras de áudio (samples) para produzir áudio. Assim, em vez de gerar o som de instrumentos no próprio chip, os sons de instrumentos são gravados e reproduzidos com diferentes frequências e velocidades para compor as músicas.

Isso explica porque no Mega Drive temos excelentes trilhas sonoras originais, como as das séries Sonic e Strets of Rage. Grandes músicos dos videogames, como o Yuzo Koshiro, foram capazes de extrair músicas fantásticas do chipzinho da Yamaha. Por outro lado, várias conversões para Mega Drive ficaram com áudio sofrível por não contarem com as amostras de áudio dos instrumentos originais.

E como eu já disse lá na motivação e em outros artigos, os vários modelos de Mega Drive apresentavam áudio diferente, inclusive gerados por chips diferentes nos dois diferentes modelos. Em alguns casos os compositores exploraram até mesmo bugs dos chips para criar efeitos diferentes. É o caso do ladder effect.

Assim o kevtris teve a difícil tarefa de tentar reproduzir essas diferentes variações e colocar opções para agradar todo mundo. E ele conseguiu muita coisa. É possível ajustar individualmente os canais de áudio, o balanço entre os dois canais de saída para cada canal de entrada, ligar e desligar efeitos, e até brincar com as formas de onda geradas.

Todos os Mega Drive originais contam com um filtro passa-baixas, que elimina as frequências altas e gera um som um tanto “abafado”. Esses filtros eram usados para disfarçar erros de quantização e ruídos do DAC do YM2612. Os mais puristas acham que som de Mega Drive precisa necessariamente ter esse filtro para ser som de Mega Drive. Para esses, o Mega Sg conta com um filtro passa-baixas, que pode ser habilitado e configurado à gosto.

Eu sou time que acha que o que pode ser melhorado deve ser melhorado, e prefiro o som cristalino do Mega Sg sem filtros. As altas frequências (agudos), nunca ouvidas num Mega Drive real, são um dos pontos fortes do Mega Sg na minha opinião. Há inclusive um modo de alta qualidade para o YM2612, pois o chip original trabalha internamente com 14 bits, mas trunca para 9 bits no DAC. No Mega Sg é possível evitar o truncamento e produzir um som de melhor qualidade.

O áudio dos demais cores também é reproduzido fielmente, incluindo o chip FM do Master System, suportado por alguns jogos. Ele também pode ser desabilitado para quem prefere o som PSG que ouvíamos nos nossos Master System ocidentais.

Opções de Sistema

Nas opções de sistema o Mega Sg permite mudar as fontes, cores e estilos do menu. Eu não gosto muito da fonte padrão, então uso a fonte alternativa. Também prefiro tudo em caixa alta do que tudo em caixa baixa, que é o padrão.

É possível também configurar as combinações de teclas para reset usando o controle e para trazer o menu do Mega Sg. As combinações padrões conflitam com a combinação do Mega Everdrive, por isso optei por muda-las.

Também é possível definir se ao ligar o Mega Sg, queremos ver a sequência de boot, ou ir direto para o menu, ou ainda direto para o cartucho, ou ver a sequência de boot e depois ir para o cartucho. O delay da sequência de boot é configurável de 0 a 10 segundos, muito útil para dar tempo para os handshakes de HDMI para quem usar splitters e switches no caminho, como eu.

Há ainda opções para forçar determinadas regiões de hardware, opções de debug, etc. Quer relembrar o sofrimento de alugar um cartucho que tinha trava regional e se deparar com a mensagem de que ele não funciona no seu console? Então desligue a detecção automática de região. 🙂

Por fim, é possível ajustar a cor do LED e efeitos. Por padrão ele usa uma cor sólida (branco). Mas é possível trocar a cor ou aplicar efeitos, como copiar a cor do pixel central do jogo, ou fazer um arco-irís com o LED passando por todas as cores.

Mega Drive

Todos os jogos do Mega Drive podem ser executados a partir de cartuchos de qualquer região. Não precisa cortar ou lixar travinhas. 🙂

Com o jailbreak é possível carregar quase todos os jogos diretamente do cartão SD. Uma exceção é o Virtua Racing, pois o cartucho conta com um processador auxiliar, chamado Sega Virtua Processor. Note que o Mega Everdrive também não suporta esse jogo. A única maneira de joga-lo é com o cartucho original.

Outros jogos não suportados são os que incluem mappers especiais (Realtec mapper, Super Fighter Team mapper). Estes podem ser executados com ROMs modificadas (fixed). Sonic & Knuckles + Sonic 2 também precisa de uma ROM modificada (fixed), tal qual o Mega Everdrive.

O mapper do Super Street Fighter 2 Turbo (também usado na demo Overdrive 2) é suportado. O Pier Solar também é suportado.

O Mega Drive usa uma variedade de tipos de memória não volátil para salvar os jogos. O jailbreak suporta SRAM (maioria dos jogos), FeRAM (Sonic the Hedgehog 3) EEPROM paralela (Barkley Shut Up and Jam 2 e Unnecessary Roughness ‘95). Exceto pela EEPROM, todos salvam arquivos de 128 KB. Como o cabeçalho não diz quanta SRAM é usada, os desenvolvedores preferiram usar uma grande quantidade para não ter erro.

Master System

Todos os jogos de Master System podem ser executados a partir de cartuchos com o adaptador incluso, ou com outros adaptadores do mercado como o PowerBase Mini FM.

Também é possível carregar jogos do Master System a partir do Mega Everdrive ou outros cartuchos flash.

Vale lembrar que a Pistola Light Phaser só funciona com TVs CRT, mesmo no Mega Drive original, e portanto também não funciona no Mega Sg. O mesmo vale para os Óculos 3D.

O Mega Sg mapeia os botões do Master System para o controle de Mega Drive, incluindo o botão de pausa que fica no console original. Isso é ótimo, pois no Mega Drive original esse botão precisa ficar nos adaptadores, inclusive no caso do adaptador oficial, por conta de limitações de hardware que não permitem fazer a pausa pelos controles. Os jogos que originalmente não aceitam controles de Mega Drive também não são problema com o Mega Sg.

O controle original de Master System também pode ser usado, se o jogador preferir.  Mas nesse caso é preciso incluir um botão de pausa no adaptador incluso, o que exige um mod, ou usar um outro adaptador, como o PowerBase Mini FM, ou ainda um  Mega Everdrive, que também tem botão de pausa no cartucho.

No jailbreak é possível carregar todos os jogos de Master System. Também é possível usar os dumps das BIOS para ver o logotipo da SEGA ao carregar o jogo, como no Master System original, ou então carregar uma ROM nula para jogar os jogos inclusos em cada BIOS, que são aqueles que vinham na memória dos diferentes modelos de Master System. Assim podemos, por exemplo, jogar o Alex Kidd in Miracle World na versão da BIOS, em que as funções dos botões estão invertidas e os bolos de arroz foram substituídos por hambúrgueres.

Um ponto fraco do jailbreak é que ele não identifica automaticamente o mapper usado nos cartuchos de Master System de onde as ROMs foram extraídas. Quando a extensão do arquivo é .SMS, ele assume que o mapper é o da Sega. Para jogos com o mapper da Codemasters é preciso mudar a extensão do arquivo para .SCM. No caso dos jogos que usam o mapper coreano, é preciso mudar a extensão do arquivo para .SKR.

Em alguns sistemas, como o Nintendo de 8 bits, o pessoal que faz os dumps das ROMs inclui um cabeçalho informando qual é o mapper que deve ser usado, para desespero dos mais puristas, pois o cabeçalho não é parte original da ROM. No caso do Master System, historicamente não há cabeçalho nas ROMs com essa informação. Por esta razão a extensão é usada para identicar os mappers diferentes. Note, porém, que no Mega Everdrivemapper correto é identificado na maioria das vezes, não sei exatamente como. Além disso, ele pode ser selecionado nos casos em que não for identificado corretamente. Espero que alguma atualização do jailbreak implemente uma solução semelhante.

Eu tive um Master System II na minha infância, e recomprei o mesmo modelo recentemente. Para mim esse core é fundamental.

SG-1000

Os jogos de SG-1000 também podem ser executados a partir do Mega Everdrive ou com o firmware jailbreak. Usam o mesmo core do Master System. Um adaptador para cartuchos também foi prometido, mas ainda não lançado.

Só não funcionam os jogos que precisam de acessórios, como o teclado do SC-3000, e alguns que usam mappers pouco comuns (ports de MSX e outros).

Vale lembrar que o Master System original reproduz jogos de SG-1000, e o Mega Drive original consegue reproduzir o som do SG-1000, mas não a imagem, pois ele não suporta os modos de vídeo do SG-1000.

Eu nunca tive contato com um SG-1000 de verdade, e só soube da existência do mesmo quando tive contato com a Internet. Mas aprendi a apreciar alguns jogos do console, como H.E.R.O., que é um dos meus jogos favoritos no Atari 2600. A versão do SG-1000 conta com música e gráficos mais avançados.

Game Gear

O portátil da Sega é bastante similar ao Master System, inclusive é capaz de executar os jogos do mesmo, ainda que o contrário não seja possível. Ele conta com mais cores (4096) e uma resolução menor, de apenas 160×144, com pixels que não são quadrados, pela forma como a tela LCD do Game Gear é feita.

Os jogos de Game Gear podem ser executados diretamente do cartão SD com o o uso do jailbreak. Um adaptador para cartuchos também foi prometido, mas ainda não lançado.

Alguns jogos de Game Gear usam o modo Master System para executar. Estes precisam ser executados com o core de Master System, e usarão a resolução do Master System (256×192) sem interpolar para a resolução do Game Gear, como faz um Game Gear real. Convenhamos que essa interpolação nem é desejável nesse caso, pois queremos a maior resolução possível. Esses jogos do Game Gear que usam o modo do Master System podem ser executados também a partir do Mega Everdrive.

O inconveniente aqui é que é preciso saber se o jogo usa o modo Master System ou não para decidir se vai utilizar o core do Master System ou o do Game Gear. Espero que futuras versões do jailbreak façam essa detecção automaticamente.

Outra restrição do jailbreak é que ele também não consegue identificar automaticamente o mapper usado nos cartuchos, da mesma forma que no Master System. Para jogos com o mapper da Codemasters é preciso mudar a extensão do arquivo para .GCM. E no caso dos jogos que usam o mapper coreano, é preciso mudar a extensão do arquivo para .GKR.

Jogos que salvam em EEPROM ainda não são suportados. São 5 jogos nessa situação.

O mapeamento do controle é simples: A ou C para o botão 1, B para o botão 2, Start para Start.

Nunca joguei em um Game Gear de verdade. Muitos jogos tem versões oficiais para Master System. Outros saíram exclusivamente para o Game Gear, então esse core também é interessante para mim.

ColecoVision

Este é o único core do jailbreak do Mega Sg para um console que não é da Sega. Mas o ColecoVision usa a mesma CPU e o mesmo processador gráfico do SG-1000, então sua implementação deve ter sido relativamente fácil uma vez que o suporte ao SG-1000 já estava pronto.

O ColecoVision é o único core que precisa de um dump da BIOS do console para funcionar. O core suporta a resolução original de 256×192 com 16 cores.

Os controles originais do ColecoVision não são suportados devido ao mapeamento diferente dos pinos no plug DB-9.

O controle do ColecoVision usa um joystick de 8 posições, dois botões, e 12 teclas num teclado estilo telefone. O mapeamento é o seguinte:

A = Botão Esquerdo
B = Botão Direito

As teclas do telado de telefone são obtidas com as seguintes combinações de teclas:

Y + Cima = 0
Y + Direita = 1
Y + Baixo = 2
Y + Esquerda = 3
Z + Cima = 4
Z + Direita = 5
Z + Baixo = 6
Z + Esquerda = 7
Y + Z + Cima = 8
Y + Z + Baixo = 9
X = #
C = *
Start = 1

Jogos que usam acessórios (volante, trackball) não são suportados. Em alguns casos há hacks que permitem usa-los sem os acessórios originais. Esses são suportados.

Dois jogos homebrew usam EEPROM para salvar e precisam ter as extensões renomeadas também. São os jogos The Black Onyx e Boxxle. Eles precisam usar as extenções .ce0 e .ce1, respectivamente.

Nunca tive contato com um ColecoVision de verdade e meu vídeo testando o sistema foi na verdade meu primeiro contato. Procurei por nomes de jogos conhecidos e encontrei alguns jogos que eu já conhecia de outros sistemas. Destaque para o Tapper, um de meus jogos preferidos no Atari 2600. O ColecoVision ganhou uma versão bem mais fiel à dos arcades. Gostei bastante. E fui bem longe para uma primeira jogada, como pode ser visto no vídeo.

Mega Everdrive X7

Para muita gente, os Mega Everdrive não são necessários no Mega Sg com jailbreak. De fato, quase todas as funções do mesmo estão presentes no jailbreak do  Mega Sg. Mas há uma exceção notável que é a possibilidade de trazer um menu e salvar/carregar o estado do jogo em qualquer momento, mesmo para jogos que não suportam save states nativamente.

Além disso, o Mega Everdrive também pode ser usado para evitarmos ter de ficar lidando com a questão de renomear extensões de ROMs de acordo os mappers que são utilizados nos jogos de Master System.

Ao usar o Mega Everdrive é importante desabilitar o Megakey e ajustar a região para WORLD, deixando que o Mega Sg cuide da questão de região.

Master Everdrive X7

O Master Everdrive X7 também conta com uma funcionalidade adicional ao jailbreak do Mega Sg, que é a possibilidade de usar save states nos jogos de Master System e SG-1000.

Note que essa funcionalidade era exclusiva do uso do Master Everdrive X7 com o Master System II. Ela não funciona no Mega Drive original. Mas no Mega Sg, com o uso do adaptador incluso ela funciona.

O Master Everdrive X7 também evita termos de renomear extensões de ROMs segundo os mappers nos jogos de Master System.

PowerBase Mini FM

Há poucas razões para se usar um PowerBase Mini FM em um Mega Sg, em vez do adaptador incluso. Eu consigo pensar apenas em duas.

A primeira seria por conta do botão de pausa no adaptador, visto que o adaptador incluso não tem o botão de pausa nativamente (pode ser incluído com um mod). Note que o botão de pausa no adaptador só é necessário se o jogador quiser usar um controle de Master System, pois nos controles de Mega Drive o START pode ser usado para pausar. Mas note que um Mega Everdrive também poderia ser usado para aproveitar o botão do cartucho.

Outro uso para o PowerBase Mini FM seria ouvir o som do chip Yamaha YM2413 discreto que está presente no adaptador, em vez da implementação em FPGA do Mega Sg. Nesse caso é preciso habilitar a passagem de áudio do cartucho e baixar o volume do áudio do chip no Mega Sg (senão vão ficar os dois tocando juntos). Sinceramente não vejo para que fazer isso: o YM2413 discreto do PowerBase Mini FM fica bem ruídoso no Mega Sg. Quem é purista ao ponto de preferir um chip discreto à implementação em FPGA não vai estar usando um console FPGA para começo de conversa. E de qualquer forma o YM2413 do PowerBase Mini FM é apenas um clone chinês moderno, tão ruim que o fabricante do PowerBase Mini FM, René, descarta cerca de 15% dos que compra por falha.

E um detalhe importante sobre o PowerBase Mini FM. Com ele não é possível carregar o menu de salvar/carregar jogos no Master Everdrive X7, como é possível com o adaptador incluso com o Mega Sg. Isso ocorre porque falta um fio no PowerBase Mini FM. Um mod é necessário para que essa funcionalidade possa ser usada.

Diagrama de Conexões Atualizado

Com a chegada do OSSC e do Analogue Mega Sg, precisei atualizar o diagrama de conexões da minha sala de TV. Agora ficou assim:

Diagrama de Conexões - Sala de TV - Versão Abril de 2019.

Diagrama de Conexões – Sala de TV – Versão Abril de 2019.

Rastreamento

Estas são as informações de rastreamento do pacote do Texas à California, segundo a Fedex:

Thursday , 3/28/201911:48 amRancho Santa Margari, CA
Delivered
Left at front door. Signature Service not requested.
3:05 amFULLERTON, CA
On FedEx vehicle for delivery
2:56 amFULLERTON, CA
At local FedEx facility
Wednesday , 3/27/20196:24 pmCITY OF INDUSTRY, CA
Departed FedEx location
3:55 pmCITY OF INDUSTRY, CA
Arrived at FedEx location
4:07 amBUCKEYE, AZ
In transit
Tuesday , 3/26/20196:03 pmPECOS, TX
In transit
5:56 amMESQUITE, TX
Left FedEx origin facility
Monday , 3/25/20198:45 pmMESQUITE, TX
Arrived at FedEx location
3:54 pmMESQUITE, TX
Picked up
Friday , 3/22/20198:46 am
Shipment information sent to FedEx

E estas são as informações de rastreamento do pacote da California até mim, segundo a USPS:

April 10, 2019, 4:55 pm 
Delivered 
BRAZIL 
Your item was delivered in BRAZIL at 4:55 pm on April 10, 2019. 
April 4, 2019, 9:01 am 
Processed through Facility 
CURITIBA, BRAZIL 
April 3, 2019, 1:50 pm 
Processed Through Facility 
BRAZIL 
April 2, 2019, 10:27 am 
Departed 
SAO PAULO, BRAZIL 
April 1, 2019, 10:17 pm 
Departed 
HOUSTON, UNITED STATES 
April 1, 2019, 1:16 am 
Departed 
LOS ANGELES, UNITED STATES 
March 31, 2019, 7:48 pm 
Arrived 
LOS ANGELES, UNITED STATES 
March 30, 2019, 7:50 pm 
Processed Through Regional Facility 
LOS ANGELES CA INTERNATIONAL DISTRIBUTION CENTER  
March 30, 2019, 2:22 pm 
Departed USPS Regional Facility 
LOS ANGELES CA INTERNATIONAL DISTRIBUTION CENTER  
March 30, 2019, 2:03 pm 
Arrived at USPS Regional Facility 
LOS ANGELES CA INTERNATIONAL DISTRIBUTION CENTER  
March 30, 2019, 12:48 pm 
Accepted at USPS Origin Facility 
RANCHO SANTA MARGARITA, CA 92688  
March 30, 2019, 2:22 am 
Arrived at Regional Facility 
LOS ANGELES CA INTERNATIONAL DISTRIBUTION CENTER  
March 29, 2019, 12:49 pm 
Shipment Received, Package Acceptance Pending 
RANCHO SANTA MARGARITA, CA 92688  
March 29, 2019, 4:26 am 
Shipping Label Created, USPS Awaiting Item 
RANCHO SANTA MARGARITA, CA 92688  

E estas são as informações de rastreamento do pacote da California até mim, segundo o Correios:

10/04/2019
16:54
Objeto entregue ao destinatário
10/04/2019
11:07
Objeto saiu para entrega ao destinatário
08/04/2019
12:07
INDAIATUBA / SP
Objeto encaminhado
de Unidade de Tratamento em INDAIATUBA / SP para Unidade de Distribuição em REMOVIDO / SP
05/04/2019
04:59
CAJAMAR / SP
Objeto encaminhado
de Unidade de Tratamento em CAJAMAR / SP para Unidade de Tratamento em INDAIATUBA / SP
04/04/2019
09:02
CURITIBA / PR
Objeto encaminhado
de Unidade de Distribuição em CURITIBA / PR para Unidade de Tratamento em CAJAMAR / SP
04/04/2019
09:00
Fiscalização Aduaneira finalizada
03/04/2019
13:50
Objeto recebido pelos Correios do Brasil
30/03/2019
19:50
ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA /
Objeto encaminhado
de País em ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA / para País em Unidade de Tratamento Internacional / BR
29/03/2019
12:49
Objeto postado

Tabela-Resumo

Esta é a tabela-resumo da compra:

Nome do Produto: Analogue Mega Sg USA
Nome Original: Analogue Mega Sg USA
Loja: Analogue
Valor: US$ 189,99
Valor atual: US$ 189,99
Forma de Pagamento: Cartão de Crédito Mastercard Internacional
Tipo de Frete:
  • Fedex (Analogue -> Envios Diretos)
  • USPS First Class (Envios Diretos -> Brasil)
Valor do Frete:
  • US$ 17,76 (Analogue -> Envios Diretos)
  • US$ 68,25  (Envios Diretos -> Brasil) (taxa da Envios Diretos inclusa)
País de Origem do Pacote: EUA
Data de Compra: 05/01/2019 (pré-venda)
Data de Envio:
  • 22/03/2019 (Analogue -> Envios Diretos)
  • 29/03/2019 (Envios Diretos -> Brasil)
Data de Entrega:
  • 28/03/2019 (Analogue -> Envios Diretos)
  • 10/04/2019 (Envios Diretos -> Brasil)
Tempo em Trânsito:
  • 6 dias (Analogue -> Envios Diretos)
  • 12 dias (Envios Diretos -> Brasil)
Conteúdo Declarado: Video Game Accessory
Tipo de Conteúdo Assinalado: Gift
Valor Declarado:
Tributado: Não
Valor Tributável:
Valor do Imposto:

Considerações Finais

Estou muito satisfeito com o Analogue Mega Sg.  Sua imagem e som são superiores mesmo considerando os melhores modelos de Mega Drive, usando RGB + OSSC. Apesar de existirem alguns poucos bugs pendentes, o kevtris vem trabalhando para elimina-los.

Analogue Mega Sg sem dúvida é uma opção muito melhor que o novo Mega Drive da Tec Toy e outros clones pouco fiéis e cheios de problemas, principalmente com o som.

É claro que não é um console para todos, quem se contenta com emuladores não verá vantagem nele. Seu preço também não é exatamente uma pechincha, e traze-lo para o Brasil parece uma tarefa complicada para quem não está habituado com o redirecionamento de encomendas. Os revendedores do Mercado Livre se aproveitarão disso.

É claro que um clone nunca será o console original para os mais puristas. Quem faz questão de ver o Mega Drive original na sua frente enquanto joga não vai gostar do Mega Sg. Mas eu me rendi ao Analogue Mega Sg e ao Analogue Super Nt e não pretendo voltar atrás. Apesar de meu Super Nintendo de 25 anos e de meu Sega Genesis ainda aparecem no meu diagrama de conexões, na verdade eu já tirei-os da sala e instalei-os na minha TV CRT, onde posso ter a mesma experiência de infância quando tenho vontade. Na sala ficaram apenas os cabos SCART conectados para algum teste eventual.

Em resumo: para jogar no dia a dia eu uso o Analogue Super Nt e o Analogue Mega Sg conectados à TV LCD moderna, enquanto o Super Nintendo, o Sega Genesis, e o Mega Drive III ficam na TV CRT para sessões mais nostálgicas.

O Sega Genesis foi para a TV CRT, deixando seu lugar para o Analogue Mega Sg na TV da sala.

O Sega Genesis foi para a TV CRT, deixando seu lugar para o Analogue Mega Sg na TV da sala.

Link permanente para este artigo: https://www.skooterblog.com/2019/04/23/review-analogue-mega-sg-mega-drive-em-fpga-c-saida-hdmi-full-hd/

15
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
10 Thread replies
2 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Hottest comment thread
3 Autores de comentários
SkooterGiovane de Barros Reis Autores de comentários recentes
  Inscrever  
mais novos mais velhos mais votados
Notificar sobre
Visitante
Thiago Salles

Em breve comprarei o Mega Sg! Adquiri um Super NT e gostei muito! Tenho um Super Famicom, 2 Snes Fat sendo um 1chip e outro 2chip e deixei eles guardados após a aquisição do Super Nt! Muito bom mesmo!
Torcer para futuramente conseguir um meio de rodar os jogos do 32X pelo Mega Sg.

Giovane de Barros Reis
Visitante
Giovane de Barros Reis

E aí beleza?
Parabéns pelo review.
Tentei comprar o Mega SG e o Super NT, pelo Shipito, porém a Analogue cancelou o pedido por suspeita de fraude, disse que o endereço de entrega e cobrança do cartão são diferentes.
Coloquei o endereço de entrega da Shipito e o de cobrança de casa.
Como você efetuou essa transação?
Desde já agradeço!!!

Giovane de Barros Reis
Visitante
Giovane de Barros Reis

Não sei se é aqui que coloco a minha dúvida.
É o seguinte fiz um pedido no eBay e no rastreamento veio seguinte mensagem: Objeto encaminhado de Unidade de Distribuição em SAO PAULO / SP para País em RÚSSIA (FEDERAÇÃO RUSSA), isso quer dizer que o meu pedido foi tributado e voltou? Eu não entendi isso pois eu já fiz um pedido que foi tributado mas eu fui comunicado, paguei e recebi o pedido.
Desde já agradeço!!!

trackback

[…] Outra novidade do dia é o firmware oficial v4.5 para o Analogue Mega Sg. […]

trackback

[…] de ser lançado o firmware jailbreak versão JB7.5 do Analogue Mega Sg. Confira as […]

×