SNES CIC thieves: another reason not to buy Super Nintendo cartridge in Brazil

Already expliquei em artigos anteriores porque eu não compraria um Super Nintendo no Brasil, where the islands is all scrambled, exchanged with components, legs cut chips, etc. due to the transcoding for PAL-M and unlocking function for pirates to cartridges that do not have the CIC (Checking Integrated Circuit), que é o chip que a Nintendo usa tanto no console quanto no cartucho para que cartuchos piratas não funcionem nos consoles. Meu Super Nintendo de infância infelizmente já veio com essas modificações porcas, e foram os defeitos causados por elas que levaram ele à morte.

No início dos anos 90, as locadoras do Brasil eram inundadas de jogos piratas de Super Nintendo, alguns com o CIC, outros sem. Lá pelo fim do ciclo de vida do Super Nintendo, o CIC foi clonado e usado em cartuchos piratas. Mas como explicar os cartuchos piratas que tinham o CIC presente ainda no início da vida do console?

Eu me recordo que os primeiros Super Nintendo que chegaram do Brasil via Paraguai eram ainda bloqueados, e seus donos eventualmente ficavam frustrados porque alguns jogos que alugavam (os que não tinham o CIC) não funcionavam em seus consoles. Mas eles não sabiam exatamente por que. E não tinha como saber ainda na locadora se o cartucho iria funcionar ou não, pois por fora eles não tinham qualquer indicação de ter ou não o CIC.

Later, os consoles passaram a vir do Paraguai desbloqueados (the meu de infância estava nessa). Os pirateiros, não sei se paraguaios ou brasileiros, cortavam uma trilha da placa do console e soldavam um fio em uma perna do chip, o que permitia que o console executasse tantos jogos piratas quanto originais.

Esse tipo de modificação acabou se mostrando um tiro no pé mais tarde, quanto a Nintendo passou a fazer alguns cartuchos, like Mario RPG, que verificavam a presença do CIC no console, e não funcionavam nos consoles desbloqueados. Isso levou os pirateiros a acrescentarem chaves no console para ligar e desligar o desbloqueio, conforme o cartucho sendo executado fosse original ou pirata.

Eu acabei adquirindo meus consoles Super Nintendo recentes no eBay, como já relatei em artigos anteriores. Direto dos EUA, eles vieram como de fábrica, livres de qualquer modificação, pois lá esses desbloqueios não eram comuns, e a transcodificação para PAL-M obviamente não era necessária. O PAL-M só foi usado no Brasil, nos EUA o padrão usado era o NTSC.

Mas quando estava testando meu último Super Nintendo na TV CRT, levei o console até o quarto onde fica a TV mas lembrei que havia deixado todos os cartuchos na TV LCD do escritório, onde fiz o unboxing e os primeiros testes. Lá junto com a TV CRT só havia um cartucho, the Super Mario World que veio com meu Super Nintendo de infância, que eu não havia levado para a outra TV pois tinha outra cópia do Super Mario World to test, a que veio com um dos Super Nintendo que adquiri recentemente.

Quando coloquei o meu Super Mario World de infância no Super Nintendo bloqueado notei que ele não funcionou. I found it strange, limpei os contatos do cartucho e continuou não funcionando. Logo desconfiei do CIC, será que o meu Super Mario World de infância teve o CIC removido? Tendo o console de infância já vindo desbloqueado, ele funcionava normalmente então eu nunca desconfiei disso antes.

Testei então o cartucho no Analogue Super Nt, que não verifica o CIC do cartucho, e ele funcionou normalmente, o que foi mais um fator para aumentar a suspeita sobre a falta do CIC no cartucho.

Resolvi então abrir o meu cartucho de infância do Super Mario World, algo que eu nunca havia feito antes. Peguei as minhas gamebits e rapidamente abri o cartucho, que é preso apenas pelos parafusos.

E foi assim que eu confirmei minhas suspeita: o CIC estava ausente no meu cartucho do Super Mario World. As pontas dos terminais dele ainda estavam soldadas, indicando que ele foi removido com um alicate de corte ou ferramente semelhante.

Cabe notar que a placa do cartucho tem todos os indicativos de que é original, com os componentes discretos, logotipo da Nintendo com o copyright, ROM, SRAM, battery, etc. A versão da placa é SHVC-1A1B-05.

E assim o episódio foi ficando bem claro para mim. Os pirateiros safados desbloqueavam o console porcamente e aproveitavam para roubar o CIC do cartucho, afinal o console desbloqueado não faria mais a verificação, e o dono nunca perceberia a mudança. Ou quase nunca, eu percebi… after 27 years!

Apenas para confirmar, abri também o outro Super Mario World. Esse outro cartucho tem a PCB um pouco mais antiga: SHVC-1A1B-04, mas os componentes são exatamente os mesmos, exceto pelo fato de que essa placa está com o CIC intacto.

E o que foi feito com o CIC removido do meu cartucho? Nunca saberei com certeza. Mas aposto que foi usado em algum cartucho pirata, para que o mesmo funcionasse também em consoles bloqueados.

Recently abri dois cartuchos piratas que ganhei e um deles possui o CIC. E é curioso notar que juntaram todos os componentes em um chip-on-board, exceto pelo CIC, que continua separado. Mas pelo menos nesse caso o CIC aparentemente é um clone.

PCB do cartucho Kawasaki Superbike Challenge, the Super Nintendo.

PCB do cartucho Kawasaki Superbike Challenge, the Super Nintendo.

Recentemente também li algum relato de alguém que comprou cartuchos de Super Nintendo na AliExpress e recebeu um cartucho com uma plaquinha igual a essa com um CIC original, um tanto surrado, instalado nela. Certamente foi removido de algum cartucho original.

So, se eu já havia desistido de comprar consoles no Brasil, agora desisti de comprar cartuchos também. Não só os consoles são todos mexidos, os cartuchos também são! É arriscado pagar caro em um cartucho original no Free market e depois ter a desagradável surpresa de ver que o CIC dele foi roubado e ele não vai funcionar em um console bloqueado. It is unfortunate!

O jeito é continuar comprando direto dos EUA no eBay. Pelo menos por lá esse tipo de canalhice deve ser mais raro.

Share this article with your friends if you liked 😉 . The Skooter Blog needs your help in spreading to continue existing.

Permanent link to this article: https://www.skooterblog.com/2019/10/20/ladroes-de-cic-do-snes-mais-um-motivo-para-nao-comprar-cartucho-de-super-nintendo-no-brasil/

5
Leave a comment

Avatar
4 Comment threads
1 Thread replies
4 Followers
 
Comment with more reactions
Hottest comment thread
5 Authors of comments
Rafael LimaIuri FiedorukSkooterPolter Authors of recent comments
  Sign up
more new older top rated
Notify about
Polter
Visitor
Polter

Vc deve ter lido sobre este CIC em algum fórum na internet provavelmente em ingles, e nesta época nem havia internet, curioso como os técnicos aprendiam como piratear e trocavam as informações, deveria ser algo mais restrito.

E tem uma bateria CR2032, suponho que seja para os savegames, e se vc nunca abriu em tantos anos, esta bateria ainda funcionava?

Member
Iuri Fiedoruk

Que bizarro! Bacana essa história.
Uma vez eu troquei a placa interna de um megaman 4 de NES. O meu era um pirata meio bagunçado (loga da capcom trocado, umas telas de abertura bugadas), os caras da locadora foram num jantar que a turma de colégio fez para levantar fundos para uma excursão, e eles ficaram assediandopassando a mão mesmonas minhas colegas.
My “vingançafoi pegar o pirata delesnem original erae colocar no lugar do meu.
Continuava funcionando em ambos os casos, mas o meu agora parecia mais com o jogo original.

Member
Rafael Lima

Our,essa é novidade pra mim. Ainda não peguei cartuchos originais sem o CIC.

Member
Luiz Miguel Gianeli

Excelente artigo, muito bom e esclarecedor. Somente agora, us 20 anos depois é que vim entender porque o Super Mario RPG não funcionava em meu Super Nintendo… unfortunate. Que bom que hoje temos os emuladores e já consegui zerar este grande jogo traduzido em português. Mas na época foi uma grande decepçãoPeguei um Snes usado dias atrás, tomara que não seja desses adulterados

×