A ascensão (e queda?) das igrejas-empresas

Há algum tempo escrevi um artigo sobre um certo seminário de teologia, que vem oferecendo cursos de pastor a distância e fazendo sua divulgação através de spam no Orkut, técnica no mínimo questionável, principalmente por estar sendo feita por supostos “pastores”.

Hoje li um artigo na Folha Online, que apesar de antigo eu ainda não tinha visto, ele fala sobre algumas das coisas que um tal curso ensina, um total absurdo, para enfurecer qualquer cristão ou não-cristão. É claro que a Folha não é a fonte mais confiável do mundo, mas a julgar pelas práticas de divulgação do Seminário, fica difícil de não acreditar na Folha.
Recomendo ler o artigo completo, mas vou citar aqui alguns tópicos interessantes:

“Antes de abrir uma igreja, por exemplo, ele deve estudar a região e o público-alvo. Se o local for pobre, ajudam a atrair gente a distribuição de lanches e o sorteio de cestas básicas. Na Assembléia de Deus do Jardim do Apurá (zona sul de São Paulo), o fiel que fica até o fim do culto recebe um cachorro-quente.”

Isso me fez lembrar daquela velha história dos alunos que vão na escola só por causa da merenda. Aqui é a mesma coisa, o cachorro quente é o prêmio para quem aguentar o culto até o final. Mas não culpo esses “fiéis”, deve ser mesmo difícil aguentar um culto de um pastor com uma visão dessas.

“É importante ainda que o pastor seja ‘um ator, um dramaturgo’ para ‘acomodar o povo, chamar a sua atenção e fechar a sua boca’.”

Ah sim, os pastores que chamam a atenção com a Palavra e com a sabedoria e dom de interpreta-la estão ultrapassados, a moda agora é o “pastor-ator”. Afff!

“Para ser eficiente, ele é aconselhado a se alimentar bem e a se exercitar com musculação e corrida. Quando tiver de ministrar por tempo muito longo, deve evitar o sexo nos quatro dias anteriores.”

Supondo então que o pastor faça dois cultos por semana (a maioria faz bem mais que isso) ele deve fazer sexo… nunca. Ou seja, era mais fácil ter se formado padre 🙂

“Outro fator determinante para o sucesso é pregar conforme a vontade do público. Em geral, diz o curso, pessoas mais pobres tendem a gostar de ‘ver coisas sobrenaturais’ (como sessões de exorcismo), de dançar, cantar e ouvir o pastor falar em línguas estranhas (glossolalia).”

Mais uma vez, estão fora de moda aqueles pastores que pregam o que Deus preparou, a moda agora é mostrar o que o povo quer ver: gente falando em línguas, exorcismo, malabaristas, domadores de leão, palhaços, atiradores de faca, tudo ao melhor estilo “igreja-circo”, ou “igreja-programa-do-ratinho”.

“Também se deve empregar o maior número possível de fiéis na igreja. ‘Os que participam e se sentem valorizados não migram para outra igreja, pagam o dízimo todo mês e trazem a família e amigos para vê-los.'”

Isso me fez lembrar de um culto que assisti em uma igreja que visitei certa vez: em certo momento o pastor chamou a frente todas as pessoas que tinham ministério, e 90% das pessoas que estavam presentes foram até lá, e não eram poucas não, acho que só os visitantes permaneceram sentados. Aí começaram a enumerar os ministérios. Só faltou ali o “ministério da batata frita do cachorro-quente da cantina”, porque de resto tinha de tudo, uma infinidade de ministérios, que poderiam tranquilamente serem subgrupos de um grupo maior denominado “Ministério ASPONE”.

Para completar mais um linkzinho da folha, que conta a história de um cara que decidiu fazer o “Curso de Formação de Pastor” do tal seminário. “Depois que enviou à instituição as respostas ao questionário, recebeu o seu diploma e a sua carteirinha de pastor. Então, abandonou a Igreja do Evangelho Quadrangular, que freqüentava até então, e dedicou-se ao próprio templo.” Resultado: em dez meses a igreja que parecia próspera fechou as portas.

Não cabe a nós julgarmos se ele foi um bom aluno do curso, se aplicou as técnicas corretamente ou não, mas cabe uma reflexão sobre os rumos que algumas (felizmente não todas) igrejas estão tomando: Será que ao transformar igrejas em empresas essas pessoas estão fazendo a vontade de Deus? Atrair fiéis a qualquer custo?

Acho que tudo depende de qual é o objetivo dessas “igrejas-empresas”, empresas como todo mundo sabe foram feitas para ganhar dinheiro, sabe aquela história de “missão da empresa” e blábláblá que se aprende nas aulas de administração? Tudo besteira, a missão de uma empresa sempre será ganhar dinheiro. Então se for isso que essas “igrejas” querem, pode até ser que funcione, afinal em algumas denominações o número de membros vem aumentando bastante. Mas é uma pena que quando Jesus voltar, ser pastor-ator ou membro-comedor-de-cachorro-quente de igreja lotada não vai garantir o arrebatamento de ninguém.

Link permanente para este artigo: https://www.skooterblog.com/2006/07/12/a-ascensao-e-queda-das-igrejas-empresas/

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Hottest comment thread
3 Autores de comentários
SkooterClauSamitto Autores de comentários recentes
  Inscrever  
mais novos mais velhos mais votados
Notificar sobre
Samitto
Visitante
Samitto

Realidade que se agrava a cada dia…

Esse fato é realmente comprimento das escrituras, revelando a seriedade das profecias do novo testamento. Como por exemplo, o lemos em Mateus 24:24 porque surgirão falsos cristos e falsos profetas e farão tão grandes sinais e prodígios, que, se possível fora, enganariam ate os escolhidos.

Essa é uma realidade que se agrava a cada dia que passa. Sendo isto real, um fato, devemos estar preparados e firmado em Deus a todo tempo, pois esse é o fim dos tempos que “todos” temem…

Claudia Breve
Membro

Infelizmente vem acontecendo isso com muita frequência. Certa vez ouvi uma pessoa dizer que igrejas e bares são as mesmas coisas, cada esquina você encontra uma. E é bem isso que está no artigo, as pessoas estão fazendo da igreja, uma “empresa”, uma forma de poder ganhar dinheiro. Quero deixar claro, não estou dizendo todas, glória Deus que ainda existem igrejas que levam o evangelho a sério. É um absurdo um pastor cobrar uma fortuna para pregar, na verdade é um absurdo ele cobrar. Tanto que pastores que “estudaram mesmo” e tem realmente o “chamado” de Deus para a obra e não as “famosas profetadas” e se esforçam para isso, trabalham realmente para o evangelho, tem seu próprio salário, pois são credenciados e um detalhe: Você vê os frutos, não é algo que nasce hoje e já morre amanhã, passam por lutas sim, mas você vê a mão de Deus sustentando e sempre provendo de uma forma ou de outra, pois Ele mesmo disse que JAMAIS nos deixaria sozinhos. Agora se acaso o pastor da igreja e não o “convidado” pedir oferta (sem forçar) não vejo problema algum, tanto que a oferta é voluntária. Em Mateus 10:08 Jesus diz: “Curai… Read more »